julho 04, 2004

eua

Em meados do sec.XVII , formou-se nos Eua dos seus colonos a concepção de que estavam construindo uma "cidade montanha"; nascia aí uma identidade nacional: a de um país puro, sem a ferrugem corrupta da Europa, sem seus reis infiéis e injustos, e não menos importante com a proteção de Deus.Um país com uma missão: a de inspirar o mundo todo com essa pureza.
Quando formulou-se a idéia da "cidade montanha"( por John Winthrop - colono , advogado do interior da inglaterra e puritano), foi criada um conceito: o de que os Estados Unidos deveriam construir uma nação perfeita e, assim, conquistar o mundo pelo exemplo.Isso continuou como ideal americano durante os tempos, como por exemplo, a retórica revolucionária da década de 1770, época da independência norte-americana, "pelos direitos inalienáveis de toda humanidade".
Mas essa retórica sofreu uma mudança nonfinal do século19.Na medida em que os EUA se consolidavam como potência econômica e em que seus interesses não se limitavam mais as suas fronteiras, alguns americanos foram notando que havia povos que simplesmente não conseguiam perceber a superioridade de sua democracia. Então começaram a ficar insatisfeitos com a posturade"cidade montanha"( a postura de "exemplarismo")-era preciso fazer algo mais
A humanidade estava sob fortes influências de charles Darwin e, nesse clima, um certo John Fiske formulou em 1885 a hoje infame teoria do "destino manifesto", uma versão social da teoria da evolução ,caregada de racismo.Essa visão seria batizada de "vindicatismo", ou seja, a crença de que cabe aos EUA a obrigação de impor ao mundo seus valores.

....po, o pessoal do gás natural chegou aqui em casa, entao vou ter de encerrar por aqui, talvez outro dia eu termine as curiosidades acerca desse assunto....
ah!.... O final dessa história pode se ver pelo mundo desde então, entre bushes e clintons,Wodrow Wilson e Eisenhowers, a visão do mundo tem dois pólos para os americanos.....
Moral dessa historia : não ponha o nome do seu filho de John....

Nenhum comentário: